quinta-feira, 11 de setembro de 2008

O Aborto dos Outros


O aborto continua um tema polêmico no país e sua discussão, que já chegou ao Supremo Tribunal Federal no caso dos fetos anencéfalos, ganha mais um capítulo com o documentário O Aborto dos Outros.

O filme, dirigido pela estreante Carla Gallo, acompanha a história de várias mulheres que praticaram o aborto, legal ou ilegalmente. São pessoas humildes, incluindo crianças, atendidas pela rede pública de saúde, que enfrentam muitas dificuldades e sofreram muitas pressões durante todo o caminho que percorreram.

Entre as entrevistadas estão, por exemplo, uma menina de 13 anos que aguarda ao lado da mãe, num quarto de hospital, a interrupção da gravidez concedida judicialmente. Mas também há aquelas que não são amparadas legalmente e recorrem a abortos clandestinos.

Mas O Aborto dos Outros não é apenas sobre isso. No fundo, esse é um documentário sobre a liberdade de se fazer opções e a conseqüência das escolhas. Fotografado pelo veterano Aloysio Raulino e montado pela competente Idê Lacreta, o filme traça um retrato delicado não só de questões pertinentes ao universo feminino, mas da sociedade como um todo.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, entre 70 mil e 80 mil mulheres morrem todos os anos por causa de abortos praticados sem segurança - sendo que 95% das mortes acontecem em países em desenvolvimento, como o Brasil.

Toda a materia aqui.

Visite:
Blog Caixa PretaBicuda Na CanelaBlog do Tibu

2 comentários:

Santiago Chiva, Granada disse...

Este vídeo foi feito para fomentar uma maior aceitação social das crianças na Alemanha. Foi realizado por diversos meios de comunicação privados, dentro de uma campanha que contou com o apoio de personalidades da vida pública, apresentadores de televisão e esportistas que não cobraram cachê pela sua participação. Também receberam o apoio de importantes grupos editoriais e financeiros. Desde a liberalização do aborto no país os dados oficiais falam de quatro milhões de abortos, e não é leviano dizer que a cifra real seja o dobro. Este clima tem provocado que as crianças sejam valorizadas como um efeito não desejado do prazer sexual. Curiosamente, depois da campanha, a natalidade tem crescido na Alemanha. O vídeo é emocionante. Olha aquí: http://es.youtube.com/watch?v=pJtlrYmZe6Y
Santiago Chiva (Granada, Espanha)

Julianna disse...

Minha opinião sobre o aborto é que ele é uma pratica absurda.

Tanto se fala de direitos de escolha, de autonomia sobre o corpo...Se tem um direito e uma autonomia: cuidar pra que nao ocorra uma gravidez indesejada...existem tantos meios, isso é o que não falta

Meninas de 13, 14 anos engravidam porque os pais não cuidam, nao orientam, elas sabem como se prevenir mas nao fazem por sem vergonhice
Tantas pessoas que tem condiçoes psicologicas e materiais de ter filhos, e nao podem...Muito facil transar e depois tirar, né?
Acho um ato muito mais digno entregar a criança pra adoção, afinal quem é espertão pra transar sem proteção, é esperto tambem pra assumir as consequencias.